Pratos principais & Acompanhamento

Laksa de batata-doce, tofu e espinafres

Recebi no ano passado o novo livro do Jamie Oliver “Receitas Saudáveis”, mas só agora tive oportunidade de vos partilhar uma sugestão inspirada numa receita do livro.
Uma das receitas que me saltou imediatamente à vista foi a de “Laksa de abóbora no forno”. Não é vegetariana, mas isso não me impediu de puxar um bocadinho pela criatividade e elaborar um prato completamente diferente, mas igualmente empolgante. Na verdade, quando me sugerem a divulgação de um livro, gosto de lhe dar sempre um toque pessoal, e pegar numa técnica, ou, como neste caso, numa mistura de sabores de uma receita, e adaptar às ideias que vão surgindo na minha cozinha, como aconteceu neste caso.

Depois de conhecer a versão do Laksa de Jamie Oliver, verifiquei que era possível recriar este caldo aromático com os ingredientes que tinha disponíveis, não perdi tempo e coloquei em prática a minha versão.

Sweet potato laksa3
Vou ser sincera, conheço muito, muito pouco da culinária tradicional do Sudeste Asiático, mas penso que o Laksa se trata de um caril/caldo de sabor rico, cuja base é o leite de coco, e é tradicionalmente servido com noodles de arroz, e peixe, frango ou camarões.

Tentei trazer alguns destes sabores deliciosos da culinária do Sudeste Asiático para a minha cozinha, mas sinceramente não faço ideia se este molho que vos partilho hoje será igual ao tradicional. Gosto de pensar que sim, que vão um pouco de encontro ao original, e por isso coloquei algum esforço na elaboração da pasta do laksa, e usei especiarias inteiras (previamente tostadas) e alguns ingredientes menos comuns na minha cozinha. Obtive uma pasta aromática, mas um pouco apurada, por isso, apenas usai metade para o caldo. A restante pasta pode ser guardada no frigorífico, e consumida até uma semana depois de preparado.
Para fazer o caldo, juntei a pasta de Laksa, um pouco mais de leite de coco, açafrão-das-Índias e os “noodles”. Por fim, servi numa taça com tofu cortado em cubos (que fritei ligeiramente antes de adicionar, para dar mais firmeza), espinafres, que imediatamente ficaram amolecidos com o calor do caldo quente, coentros frescos e amendoins.

Laksa de batata-doce
A ideia dos noodles de batata-doce surgiu depois de pensar em estratégias divertidas para o meu irmão mais novo incorporar mais vegetais no prato. E, depois de ter experimentado usar cenoura e curgete no espiralizador, lembrei-me de experimentar a batata-doce, porque achei curioso “espiralizar” um tubérculo. (Ah, só por acaso, depois de ter experimentado e fotografado a receita, também surgiu esta sopa com a batata-doce preparada da mesma forma, da Sarah do My New Roots, que não podia deixar de referir, porque parece deliciosa).

Se por acaso não acharem prática esta ideia dos “noodles”, ou simplesmente não gostarem de batata-doce, é claro que podem recorrer à massa de trigo ou noodles (de arroz ou trigo-sarraceno…). Apenas achei que seria interessante esta ideia porque pessoalmente gosto de molhos densos e aromáticos como este, e batata-doce (ver Caril de lentilhas e batata-doce).

Sweet potato laksa
(mais…)

Abóbora assada com salada de feijão preto, nozes e chili

Abóbora assada com feijão preto3
A receita que vos partilho trata-se de uma salada (morna) de feijão preto com abóbora assada. Eu sei que tenho partilhado várias receitas com este hortícola, mas por aqui tentamos usar essencialmente os vegetais da horta, e este Outono trouxe-nos bastantes abóboras, que ainda se conservam… Mas desta vez temperei a abóbora com algumas especiarias quentes, como cominhos e canela, e levei ao forno para dourar. Para quem não tiver abóbora, garanto-vos esta receita também fica óptima com cenoura cortada em tiras longitudinais, ou batata-doce, ainda com casca.
Acompanhei a abóbora assada com feijão preto temperado com chili picadinha e nozes, uma ideia inspirada numa receita de “salsa” de nozes que aprendi a fazer recentemente. Temperei com sumo de lima, mas podem substituir por limão, se não tiverem limas.
Para dar alguma frescura à salada, fiz um molho de coentros, que se pode fazer facilmente numa almofariz, (ou numa tábua, se gostarem de praticar a técnica de faca, ou num processador de alimentos pequeno), com os coentros bem picadinhos, um dente pequeno de alho e azeite. Se não gostar de coentros pode substituir por salsa.
Por fim, o iogurte natural (de soja ou outro) é opcional, mas ajuda a ligar os diversos elementos desta salada. Se por acaso não quiserem juntar o iogurte, aqui fica uma ideia para o substituir e fazer um prato igualmente interessante e delicioso: esmagar 1 abacate com um garfo até ficar reduzido a puré, envolver ligeiramente o molho de coentros, e servir a par desta salada.

Abóbora assada com feijão preto7

(mais…)

Salada de beterraba e cebola roxa com lentilhas

Antes de falar um bocadinho sobre esta salada de cores vibrantes, queria desejar-vos a todos um excelente ano de 2016. Sei que já venho um bocadinho tarde, mas só agora tive oportunidade de publicar a primeira receita do ano.
Queria agredecer-vos por estarem desse lado mais um ano, por partilharem comigo as vossas dúvidas, e também agradecer-vos por todas as mensagens/e-mails/comentários motivadores que tenho vindo a receber.

2016 vai ser um ano desafiador, no bom sentido. Se até aqui tenho conseguido gerir bem a faculdade com o desenvolvimento de receitas, com as sessões fotográficas, e procura de novos adereços ou ingredientes, nos próximos meses já não tenho tantas certezas. Vou começar o estágio, mas vou tentar certamente publicar uma ou outra receita, consoante a minha disponibilidade. Espero que compreendam.

Em relação àquilo que vos partilhei em 2015 e a evolução desta página… Acho que foi o ano em que, acima de tudo, vi o meu blog com um maior sentimento de responsabilidade. Nunca fui tão criteriosa com as receitas, mas acho que não só é fruto da minha aprendizegem (tanto na minha formação como no âmbito da culinária), como da crescente banalização de receitas nas redes sociais. Por isso, gostava que esta página fosse uma fonte de inspiração e de ideias diferentes mas facilmente aplicáveis. Espero que não seja só mais um blog com receitas “da moda”… Ou com informação nutricional de carácter muito dúbio…

E era este o pequeno desabafo que queria partilhar convosco. E vocês o que tiraram desta página no ano de 2015? Têm alguma espectativa para 2016? Gostavam de ver algum tipo de receitas ou ingredientes em específico abordados com maior frequência? Estou aberta a sugestões.

Beet lentil salad5
Passando agora à receita. Adoro beterrabas, e felizmente temo-las no quintal o ano todo. Adoro as beterrabas pela sua cor vibrante, a suculência quando são frescas, e o seu sabor, algo doce, a lembrar a terra, mas suave. Por cá só as preparamos de uma forma: descascada e raspada, com sumo de limão ou vinagre balsâmico, e uma pitada de sal. A minha mãe tem o hábito de preparar as raízes ou verduras da forma mais minimalista possível, mas volta e meia também gosto de variar, e fazer uma sopa de beterraba, ou um mix de raízes assadas.

O novo livro de Yotam Ottolenghi, Plenty more, é certamente uma das melhores inspirações para quem procura tornar os vegetais o centro do prato. O livro está dividido por métodos culinários (!), o que é um prazer para quem procura novas formas de confeccionar ou apresentar os vegetais, e potencia a criação de pratos novos, tal como o que vos apresento hoje.
Beet lentil salad2
Podia ser uma simples salada de brócolos e lentilhas. Mas a adição da beterraba laminada, nem muito dura (crua), nem mole (tipo da enlatada), de sabor picante e ácido do molho, e com uma cor que ofuscará de certeza os mais sépticos, pareceu-me a adição perfeita para dar mais sabor e riqueza a esta salada de lentilhas.

A salada de brócolos e lentilhas dispensa receita. Trata-se de brócolos ligeiramente cozidos (cerca de 4 minutos em água a ferver ou a vapor), lentilhas Du Puy (ou verdes) demolhadas e cozidas (durante 15 minutos), e abacate em fatias, temperado somente com uma pitada de sal e pimenta preta moída na hora. Podem substituir os brócolos pelas folhas da beterraba (eu não utilizei das do quintal porque estavam “queimadas” do frio), ou outras variedades de verduras. As lentilhas também podem ser substituídas por outra leguminosa, se não gostarem, e podem servir esta salada como prato principal ou acompanhamento.
Beet lentil salad4
(mais…)