azeite

Salada de feijão preto, vegetais grelhados e um molho de tomate picante + Como grelhar vegetais

Naquela altura do ano em que os convívios decorrem à mesa e envolvem bebidas frescas, saladas e grelhados, também é possível, para quem opta apenas pelos alimentos vegetais grelhados, tirar o melhor partido destes.
Os vegetais, quando bem grelhados, concentram naturalmente o seu sabor, ficam com um travo fumado e uma de crosta crocante, que os torna uma adição deliciosa a saladas, massas, molhos, ou podem ser simplesmente servidos assim.

salada de tofu grelhado, batata-doce e feijão3
Assim, neste artigo deixo-vos algumas sugestões baseadas na minha experiência para grelhar vegetais com sucesso.

Como temperar: Junto quase sempre só um fiozinho de azeite para prevenir que estes sequem ou que se colem à grelha, ou para permitir que os condimentos e os seus sabores fiquem bem impregnados na superfície dos vegetais. Quanto aos condimentos, acho que os vegetais ficam óptimos temperados apenas com um fio de azeite, sal e pimenta preta imediatamente antes de os grelhar. Para variar, às vezes também deixo os vegetais marinar num preparado com azeite, um elemento ácido (vinagre, vinagre balsâmico, citrinos…), uma pitada de sal, e um ou mais condimentos aromáticos (como o alho, pimentas, gengibre, colorau, ou ervas aromáticas secas).

Como grelhar: Os vegetais maiores (e com pele) coloco directamente na grelha quente, enquanto os vegetais de tamanho mais pequeno, ou de formato delicado, uso em espetadas para facilitar a rotação. Caso usem espetos de madeira, devem demolhar em água cerca de meia hora para não queimarem. Quando corto os vegetais em fatias, para além dos espetos, também posso coloca-los prensados numa grelha dupla para facilitar a viragem. Por vezes, também envolvo vários vegetais cortados numa folha de papel de alumínio, com o próprio molho da marinada, como forma de obter vegetais mais tenros.
Para que estes não queimem, a temperatura idealmente não deve ultrapassar os 200ºC, e os vegetais maiores devem ser colocados nas partes mais quentes da grelha, enquanto os mais delicados, ou os cortados, devem ser colocados nas partes menos quentes. E claro, deve agrupá-los consoante o tempo de cozimento.
Quanto ao tempo de cozimento, espargos, brócolos e couve-flor em pedaços, beringela em rodelas, pimento inteiro, tomate (cortados em metades), cebola cortadas em fatias, demoram cerca de 7-10 minutos, enquanto os tomates cereja, curgete em fatias e abacate ficam no ponto em 3-5 minutos. O milho em espiga, e os cogumelos Portobello precisam quase sempre de 12 a 13 minutos, enquanto a batata-doce, por exemplo, leva uns 15 minutos a grelhar. Em média os vegetais cortados em fatias não demoram mais do que 5-10 minutos na grelha, e apenas precisam de uma ou duas viragens. Vegetais inteiros, por exemplo, precisam de ser virados mais vezes para não queimar.

salada de tofu grelhado, batata-doce e feijão - montagem1
Passando agora à receita… Comecei por grelhar o tofu em fatias, bem condimentado, para encobrir o sabor neutro desta proteína vegetal. Mas, se não gostarem, podem omiti-lo. Grelhei também a batata-doce, pimentos, tomates e cebola. Estes últimos, aproveitei não só a para a salada de feijão preto, como também para fazer um molho para acompanhar a batata-doce grelhada. Este molho resultou numa espécie de ketchup, mas mais concentrado em sabor pela ligeira redução do tomate grelhado, adocicado pela cebola grelhado, e também mais aromático, devido à adição de algumas especiarias (que aproveitei do molho da marinada do tofu).

salada de tofu grelhado, batata-doce e feijão0
(mais…)

Sopa de lentilhas e abóbora, com azeite aromatizado

Tenho o hábito de iniciar quase sempre as refeições principais com uma sopa de hortaliças e legumes, que não variam muito da cenoura, abóbora, curgete, e couves, grelos ou espinafres, de acordo com a disponibilidade de vegetais na horta. Mas também vario, e gosto de fazer sopas mais densas, às vezes no lugar da refeição principal, com leguminosas variadas, e outros legumes, e com especiarias e ervas aromáticas.
Desta vez fiz um creme de lentilhas vermelhas com abóbora, gengibre, raspa de uma laranja, e os habituais condimentos. Servi o creme guarnecido com amendoins tostados porque se este creme fosse uma refeição principal (vegetariana), achei que deveria ser enriquecido nutricionalmente com alguma proteína, e gorduras. Mas é também uma forma de juntar outras texturas ao creme.

Sopa de lentilhas e abóbora3
A ideia de aromatizar o azeite pareceu-me interessante, pois achei que poderia ser mais um veículo de sabor e aroma nas marinadas, ou na finalização de pratos, como saladas, e em pratos quentes como sopas.
A receita que vos partilho tem um procedimento diferente das receitas que vão encontrar online. A ideia de aquecer a gordura e voltar a armazená-la simplesmente não me parecia correcta, e por isso para fazer este azeite aromatizado, preferi juntar o piripiri seco (moído ou não), as estrelas de anis e o louro seco, e esperar 1 semana até que desvolvesse o aroma que procurava. Depois podem, ou não, coar o azeite, e está pronto a ser usado. Em alternativa ao louro, podem utilizar outras ervas aromáticas secas da vossa preferência, mas não recomendo a utilização de ervas frescas, pois diminui significamente o tempo de prateleira do mesmo. Para além do piripiri também podem juntar pimenta em grão ou bagas de zimbro.

Sopa de lentilhas e abóbora1.5
(mais…)

Bolachas de cacau e cranberries

Chocolate cranberry cookies
Há algo de reconfortante em fazer bolachas. Juntar os ingredientes, formar as bolinhas de massa entre as palmas, e cuidadosamente achatá-las antes de levar ao forno, e por fim, guardar no jarro das bolachas, o mais cobiçado de toda a casa. Mas a ciência de uma boa bolacha nem sempre está do lado da culinária vegana. Conseguir uma bolacha crocante, mas suave por dentro, leve, e sem ser densa, nem sempre é fácil de atingir.
No livro Green Kitchen Travels descobri uma das melhores receitas de bolachas que já alguma vez provei, e segundo os próprios autores, o David e a Luise, o segredo reside possivelmente na adição de manteigas de oleaginosas, como manteiga de amêndoa. Inspirada numa receita proveniente de Nova Iorque, a minha versão destas bolachas inclui cranberries secos e cacau, mas mantive as farinhas sem glúten, nomeadamente a de aveia (se for devidamente certificada) e trigo-sarraceno. Caso não tenham estas farinhas, podem substituir por farinha de trigo ou espelta possivelmente com resultados ainda melhores. Eu mantenho-me fiel às farinhas integrais, mas é completamente opcional. Uma bolacha ocasional não precisa de ter estas farinhas, mas gosto de experimentar cozinhar e fazer doces com elas, especialmente quando sei que o seu valor nutricional é bastante superior às farinhas refinadas, e quando o desafio passa por consegui doces bons, com ingredientes de qualidade.
Mantive o tahine, que apesar de ter um sabor amargo, acaba por dar um gosto invulgar mas bastante saboroso, a par do cacau e manteiga de amêndoa. No entanto, podem substituir tanto o tahine como a manteiga de amêndoa por manteiga de amendoim, que é mais comum. Pepitas de chocolate negro (uns 40g) também vão muito bem nestas bolachas, entre os pedaços cranberries doces encontrados, a cada dentada da bolacha.
Chocolate cranberry cookies7Chocolate cranberry cookies5
(mais…)