Salsa

Estufado de feijão branco com “requeijão”

Estufado de feijão branco10
O Inverno ainda se faz sentir, por isso achei que um último estufado, uma última taça desta “comida de conforto”, ainda fizesse sentido.
O estufado que vos partilho hoje não é muito diferente da sopa “Minestrone”, uma sopa de nome elaborado, mas de sabores e ingredientes simples como feijão, legumes e hortaliças, envoltos num molho rico de tomate, ervas aromáticas e limão. Esta receita continua a ser uma inspiração transversal para muitas receitas de estufados que coloco em prática no dia-a-dia, tal como esta.
Estufado de feijão branco8
Servi o estufado de feijão branco com um “requeijão” de tofu, uma pasta que verdadeiramente nada tem a haver com o original, mas que pode ser um substituto interessante em receitas que o exigem, nomeadamente no recheio de massas ou vegetais, numa lasanha, a acompanhar saladas, ou, pode ser usado simplesmente para barrar no pão. Para dar mais sabor a esta pasta, tentei ser generosa na quantidade de ervas aromáticas e temperos, e até adicionei uns pinhões esquecidos das festividades, que cortaram um sabor ligeiramente amargo, característico do tofu. Aconselho-vos a adequar a receita ao vosso gosto, e jogar com as especiarias e ervas aromáticas que tiverem disponíveis. Se não quiserem utilizar o tofu, aconselho-vos a dar uma olhada nesta receita da Joana Alves, e esta, da Joana Limão.

Por fim, servi o estufado em taças individuais, guarnecido com umas colherzinhas de chá de molho pesto caseiro, uma colher (cheia) do “requeijão”, e algumas folhas de rúcula. O molho pesto é perfeitamente dispensável, mas pelo menos algumas folhas de manjericão picado, ou outras ervas aromáticas frescas, ficam sempre bem.
Estufado de feijão branco2
(mais…)

Estufado de feijoca e abóbora

Sendo este o primeiro artigo de Setembro, decidi mostrar-vos um pouco do que se come por cá, nesta época em que já começam a surgir os primeiros vegetais do Outono, e onde resistem os últimos vegetais do Verão, maduros, mas mais concentrados em sabor.

bean squash stew2
Durante esta semana enquanto olhava para o quintal da janela da cozinha, apercebi-me que as estacas dos feijões já estavam visíveis, e a rama morta. Pouco depois chega a minha avó com uns sacos de feijões frescos já debulhados prontos a congelar para nutrir a sopa feita durante o inverno. Estes são provavelmente os meus feijões preferidos porque como não estão secos, o tempo de cozedura é significativamente reduzido, (mas não dispenso demolhá-los previamente na mesma), são grandes, macios por dentro sem ser farinhentos, e têm um sabor característico que eu gosto.

Estava decido que tinha de publicar uma receita com os feijões frescos. E não haveria de faltar tomate, porque estão no ponto do amadurecimento… Mas o que adicionar mais? Fui até ao quintal e e admirei as abóboras-menina já bem crescidinhas, e de estepe a ficar seco. Não resisti e levei uma para casa, abri-a, e estava no ponto, com as sementes grandes mas bem firmes à polpa. Pensei logo na possibilidade de juntar as sementes à receita, mas infelizmente só depois é que me lembrei que tinham de ser secas antes de ser utilizadas em receitas, por isso tive de recorrer às do supermercado. Mas fica a dica, podem aproveitar as sementes das abóboras, depois de as secar ao sol, e retirar a casca dura.

tomatoes
pumpkin 2
Fiz um estufado com os feijões, abóbora, tomate e algumas especiarias, mas também juntei ervas aromáticas e as sementes tostadas. A receita é simples, não requer muito tempo nem ingredientes, e o sabor compensa de certeza. Podem servir com pão de centeio, ou um pouco de arroz integral e vegetais verdes cozidos ou salteados.

pumpkin seeds

(mais…)

Creme de brócolos e espinafres

sopa verde5
Os dias já estão a crescer, surgindo assim novos legumes nos mercados, que pedem receitas e confecções diferentes. Mas há certos que pratos que ainda assim não consigo deixar de lado nas estações que se seguem, e um deles é a sopa.
Uma das confeções culinárias que mais carcteriza a alimentação Portuguesa, a sopa está na nossa mesa todos os dias antes das refeições principais. É um hábito que enraizei em miúda do qual não dispenso. Mas se possível, gosto de fazer sopas variadas para fugir à sopa tradicional com base de batata, cenoura e curgete e as couves tenras cortadinhas. Nada contra esta versão, aliás, até é uma excelente forma de acrescentar mais vegetais na alimentação (para quem não gosta dos legumes crús, cozidos ou salteados), induz a saciedade, é uma boa fonte de vitaminas e minerais, e substâncias protectoras do nosso organismo, como antioxidantes, e ajuda a uma adequada hidratação.
Legumes
Desta vez fugi um bocadinho ao tradicional, e fiz um creme de espinafres e brócolos, com um pouco de gengibre, alho e salsa, para tornar a sopa mais aromática, sem necessidade de juntar colheradas de sal. As leguminosas (grão-de-bico), permitem que a sopa fique mais cremosa, sendo a adição de batata opcional.

Por fim, não é comum decorar as sopas, mas pareceu-me bem partilhar-vos uma das minhas mais recentes descobertas para levar as sopas e saladas a outro nível – o Dukkah. É uma mistura aromática de especiarias como cominhos, coentros, funcho e pimenta preta com avelãs tostadas crocantes, que deixam qualquer prato mais aromático. Podem, no entanto, decorar a sopa com algumas folhas de salsa, fatias de rabanete, ou rebentos, e um fio de azeite, para uma guarnição igualmente apelativa (e nutritiva!).
dukkah
(mais…)