Caril de seitan + Semana vegetariana

Caril de seitan + Semana vegetariana

Pratos principais eacompanhamentosed-amine-

Pratos Principais & Acompanhamento

Caril de seitan + Semana vegetariana

Açafrão-das-Índias, Coentros, Gengibre, Glúten, Iogurte, Lima, Molho de soja, Seitan,
Dificuldade
0
2 Outubro, 2014
/
12

A propósito da semana vegetarianaque decorre entre 1 e 7 de Outubro, com várias actividades no nosso país, (podem ficar a conhecê-las aqui), reparei que, afinal, já sou vegetariana há 3 anos! Foi por volta de inícios de Outubro ou finais de Setembro em que retirei finalmente a maioria dos produtos animais da minha alimentação.

A ideia de me tornar vegetariana tinha começado há alguns meses atrás, quando me deparei com a realidade por detrás de uma peça de carne, ou de um copo de leite. Tinha uma ideia completamente diferente do que se passava, talvez por influência cultural ou mediatização destes produtos, mas a partir daquele momento não me parecia correcto voltar a comprá-los, e promover a exploração de outros seres vivos sencientes.

Achava que a ideia não seria bem aceite por aqueles que me rodeavam, e, de facto, foi exactamente o que aconteceu naquele momento, mas acabei por fazer algumas modificações a partir daí. Comecei por cortar no leite e derivados, carnes vermelhas, e gradualmente as carnes brancas e peixe, para a família se habituar à ideia, e ao mesmo tempo, aprender a cozinhar sozinha, para mim. Associado a isto, tive a sorte de me cruzar com o livros “O filósofo e lobo”, e mais tarde “Animal Rights” do mesmo autor, Mark Rowlands. A perspetiva filosófica do autor sobre este tema fez-me ganhar a confiança que precisava para expor veemente a minha posição. Perceber que nos temos de colocar perante a posição do outros seres, sencientes, capazes de sentir emoções, tal como nós, e tentar escolher o que é melhor para todos, fez sentido. E fez sentido alterar o meu estilo de vida. Acabei por deixar de usar peles, evitar produtos testados em animais, e outras formas de exploração. Ao mesmo tempo, também fiquei mais ciente da temática dos direitos humanos, e comecei a demonstrar uma postura muito menos consumista, e mais preocupada com as alterações ambientais. Posso dizer que esta alteração do estilo de vida fez-me importar com assuntos que antes nunca tinha verdadeiramente debatido na minha consciência.

Claro que depois de fazer esta opção me deparei com algumas perguntas: “Bem, e agora, o que é que eu vou comer?” “Será que posso ter uma alimentação saudável?” “Será que vou ingerir proteína suficiente, ou posso vir a ter uma anemia por falta de ferro?”. Na altura descobri alguns websites de médicos e dietistas americanos que estudam o assunto, e o livro “Vegan for life” dos dietistas Jack Norris e Virginia Messina, cujo trabalho é admirável no sentido de divulgar esta opção de estilo de vida como sendo saudável, mas ao mesmo tempo, avisando alguns cuidados a ter, para ter uma nutrição óptima. (Bem, acho que podem imaginar de onde surgiu a ideia do blogue, e a mudança para o curso de Ciências da Nutrição…)

Foi aí que consegui convencer os que me rodeavam de que esta era a minha opção, e que era saudável, sem grandes custos, nem fardos porque eu estaria encarregue de tudo. Comecei a familiarizar-me com a cozinha, alimentos diferentes, um suplemento de vitamina B12, marcas de cosméticos que testam ou não em animais, onde comprar roupa ou calçado (…) enfim, com um pouco de paciência e alguma procura tudo se resolveu, mas têm sido uma aprendizagem contínua.

O seitan foi a minha primeira experiência na culinária vegetariana, daí o ter preparado para vocês, depois de expor um bocadinho a minha história por detrás deste blog, e desta data. Escusado seria dizer que a receita foi um falhanço total, mas, vou ser sincera, na altura ainda percebia muito menos de culinária. Hoje posso dizer que percebo um bocadinho mais, ou, pelo menos, das minhas vegetarianices.

Não uso regularmente o seitan na minha cozinha, por uma questão de gosto pessoal, mas penso que é uma fonte de proteína vegetal bastante válida, para todos, a menos que tenham alguma sensibilidade individual ao glúten, (que nesse caso está fora de questão!). Uma porção de 100g de seitan contém cerca de 100 a 110kcal, 16 a 18g de proteína, 6 a 9g de hidratos de carbono, 0 a 1g de gordura e 2g de fibra. A proteína presente no seitan pode até mesmo ser considerada completa, devido ao facto de na sua preparação ser usado o molho de soja, muito rico em lisina, que complementa a falta deste aminoácido na proteína do trigo.
O seitan também permite confecionar variadíssimos pratos inspirados na culinária tradicional, mas esta é uma das minhas formas preferidas de o preparar, para dar mais sabor a esta tipo de proteína vegetal. Relativamente a esta receita em questão, neste caril não utilizei o leite de coco, apesar do molho ser bastante cremoso porque utilizei iogurte, e por isso é uma opção menos calórica a considerar.

Seitan caseiro
2 chávenas de farinha de glúten
1 colher de chá de alho em pó
1 colher de chá de gengibre em pó
1e ¼ chávenas (300ml) de água ou caldo de legumes caseiro
3 colheres de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de azeite (opcional)

Caldo (para cozer o seitan)
4 chávenas (960ml) de água
¼ chávena (60ml) de molho de soja
1 alga kombu – opcional
3 a 4 fatias de gengibre

Adicione o alho e gengibre em pó à farinha, e envolva tudo. Misture à parte os ingredientes líquidos, a água, azeite e molho de soja, e junte a mistura líquida à farinha de glúten, de uma só vez. Com um garfo misture vigorosamente a massa, até a farinha ficar bem envolvida no líquido. Assim que se formar uma massa firme, amasse a massa 10 a 15 vezes numa superfície.
Deixe a massa descansar 2-5 minutos, e depois amasse-a mais algumas vezes. Deixe descansar mais 15 minutos antes de prosseguir.
Corte o glúten em 6-8 pedaços. Cozinhe no caldo, durante 30 a 60 minutos, dependendo do tamanho dos pedaços.
Depois de cozido, pode guardar o seitan no frigorífico ou congelador para futuras utilizações.

Seitan com molho de caril e iogurte
Serve 2 a 3 porções

1 colher de sopa de azeite
1 dente de alho, picado
½ cebola, picada
1 pedaço de gengibre (do tamanho da ponta de um polegar), picado
½ colher de chá de coentros em pó
¼ colher de chá de cravinho em pó
4 sementes de cardamomo
½ colher de chá de açafrão da índias
½ colher de chá de pimentão doce em pó
1 iogurte de soja, sem açúcar adicionado
½ chávena (120ml) de água
Uma pitada de sal
250g de seitan

Salteie o alho, gengibre e a cebola picada no azeite, até a cebola começar a amolecer. Junte as especiarias, o iogurte de soja, e água. Ajuste os temperos e tempere com sal. Se preferir, com uma varinha mágica ou liquidificador pode triturar o molho (sem o cardamomo), para o tornar mais cremoso.
Junte ao molho o seitan em cubos ou fatias, e coza durante 5 a 10 minutos em lume brando.
Sirva o caril de seitan guarnecido com coentros frescos picados e sumo de lima, acompanhado de arroz integral e legumes à sua escolha.

Recipe in English

Homemade seitan
2 cups gluten flour
1 teaspoon garlic powder
1 teaspoon ground ginger
1-1/4 cups water or homemade vegetable stock
3 Tablespoons soy sauce
1 tablespoon olive oil (optional)

Broth
4 cups (960ml) water
¼ cup (60ml) soy sauce
3-inch piece of kombu (a type of seaweed) – optional
3-4 slices ginger

Add garlic powder and ginger to flour and stir. Mix liquids together and add to flour mixture all at once. Mix vigorously with a fork. When it forms a stiff dough knead it 10 to 15 times.
Let the dough rest 2 to 5 minutes, then knead it a few more times. Let it rest another 15 minutes before proceeding.
Cut gluten into 6 to 8 pieces and stretch into thin cutlets. Simmer in broth for 30 to 60 minutes, depending on the size of the pieces, on low heat.

Seitan with yogurt curry
Serves 2 to 3

1 tablespoon olive oil
1 garlic clove, minced
½ onion, minced
1 piece of ginger (the size of a thumb) , grated
½ teaspoon ground coriander seeds
¼ teaspoon ground cloves
4 cardamom pods
½ teaspoon turmeric
½ teaspoon paprika
125g / 1 soy yogurt, no sugar added
½ cup (120ml) water
250g of seitan
Pinch of salt

Sauté minced garlic, ginger and onion in olive oil until the onion begins to soften. Add the spices, soy yogurt , and water. Adjust seasoning to taste and season with salt. To make the sauce creamier, and clean, blend the sauce with a hand blender, or a regular blender, without the cardamom pods.
Add the seitan cut into cubes or thin slices, and cook for 5 to 10 minutes on low heat.
Serve the seitan curry garnished with chopped fresh coriander and lime juice, served along with some brown rice and vegetables of your choice.

————————–

Hey, e vocês? Se houverem por aí vegetarianos ou vegans, adorava ler a vossa história! 

Bom apetite...

    • 05 Outubro 2014 / 9:54

      Que bom conhecer a tua história 🙂 é mesmo como dizes, depois de teres consciência do que está por trás do que tens no prato já não consegues voltar ao mesmo! Eu já não me imagino a deixar de comer assim, por vezes ainda me perguntam se não tenho saudades da alimentação que fazia antes e a verdade é que não… porque a minha mente já não vê a carne, o peixe ou outros como alimentos. A partir do momento que o click se faz na nossa cabeça as escolhas de vida que fazemos deixam de ser difíceis, são simplesmente naturais!
      Eu adoro seitan, embora não faça regularmente (dá-me preguiça ihih), mas acho um ingrediente óptimo e este teu caril está com aspecto maravilhoso, como sempre! 🙂

      beijinho*

      (Tenho de ver esses livros, já me tinhas falado deles uma vez num comentário que fizeste no meu blog mas ainda não os pesquisei, agora vou apontar!)

    • Beatriz
      05 Outubro 2014 / 11:30

      Olá! Adoro o teu blog e gostei muito de saber a tua história… Estou no percurso para o mesmo, retirei as carnes vermelhas e a maior parte dos lacticínios (só ainda não descobri como deixar o iogurte grego de vez), mas estou a fazer tudo devagar no que toca a carnes brancas e peixe. Não tem sido nada complicado, mas gostava de saber se tens mais algumas dicas (livros, sites, etc.) que poderão ser úteis uma vez que posso precisar de mais algumas informações.

      Vou agora mesmo fazer os teus falafel com molho tahini!
      Beijinho

    • 05 Outubro 2014 / 22:04

      De há uns tempos para cá tenho reduzido muito o meu consumo de carne – sentia que não fazia sentido nos moldes em são produzidos os produtos de origem animal (o facto de ter uma irmã que estuda veterinária e conhece bem a realidade). Comecei por deixar de beber leite por não ser capaz de o digerir. Aos poucos, caminho para uma alimentação mais meatless.
      Gosto imenso do teu blog, é uma verdadeira inspiração para esta nova fase da minha vida, mais saudável e vegetal, e para tantas das receitas que também publico no meu blog.
      Parabéns 🙂

    • 08 Outubro 2014 / 21:13

      Olá Márcia 🙂

      a farinha para o seitan pode ser integral? não sei bem o que é farinha de glúten..
      na foto é o seitan da receita? é assim que fica?

      obrigada, beijinho

      • 08 Outubro 2014 / 22:00

        Olá Rita 🙂
        Não, tem de ser farinha de gluten! É constituída maioritariamente por proteína do trigo, e por isso é que o seitan fica com aquele aspecto tão firme.
        E sim, na foto está o seitan depois de cozido.
        Beijinho

        • 08 Outubro 2014 / 22:58

          Hum, ok, entendi! Muito obrigada 🙂

    • 09 Outubro 2014 / 9:25

      Gosto muito de seitan. Acho mesmo que é a minha proteína vegetal preferida 🙂 E adoro caril! Portanto esta tua sugestão é perfeita.
      Beijinho

    • 09 Outubro 2014 / 20:05

      Hello Marcia,

      I am Noa Berger, VizEat’s Community Manager (http://bit.ly/Wf1vx3). We connect locals and travellers who’d like to discover a new culture with hosts who welcome them at their home around a meal.

      Using VizEat is very easy and straightforward: hosts post their meal (this could also be an aperitif, brunch, wine & cheese, etc.) select a date & price, choose their guests and then share an authentic moment around a home cooked meal!

      I love your blog and so would be delighted to discuss a potential partnership. There are numerous mutually beneficial opportunities that we can present to you.

      Would you be available for a 10 minute chat so that I can give you more details about the partnership and what we are proposing?

      We look forward to welcoming you on board!

      Kind regards,

      Noa Berger
      Community Manager
      noa@vizeat.com

    • Serenela
      29 Outubro 2014 / 22:33

      Olá Márcia,

      Gostaria de saber se há algum substituto do molho de soja para a cozedura do seitan.

      Obrigada e continuação de um excelente trabalho 🙂 🙂

    • Nuno Dias
      16 Maio 2016 / 4:41

      “2 chávenas de farinha de glúten”

      Onde é que encontro farinha de glúten? Procurei no comparador de preços MaisCarrinho (https://maiscarrinho.com/) e farinha láctea com e sem glúten, farinha sem glúten, mas não o que ando à procura.

      “3 colheres de sopa de molho de soja”

      Achas que resulta se substituir por molho worcester? A nível de aspecto são semelhantes… Eu sei que o molho worcester não é sequer vegetariano (embora haja alternativas veganas: http://www.amazon.com/Annies-Homegrown-Organic-Vegan-Worcestershire/dp/B0058NJA8C, mas o frasco que eu tenho é da Heinz e tem anchovas), mas eu também (ainda?) não sou e este já cá tenho em casa, comprei-o porque é necessário para alguns cocktails (principalmente o Bloody Mary) mas ainda não abri o frasco. Depois posso experimentar com molho de soja, goste ou não com o worcester.

      Também tenho tabasco (deste: http://www.tabasco.com/tabasco-products/sauces/tabasco-garlic-pepper-sauce/), que comprei pelo mesmo motivo e é vegano, mas esse duvido que sirva como substituto.

      • Nuno Dias
        16 Maio 2016 / 5:32

        Ah, pera lá, isto é para fazer o seitan, eu ia saltar esta parte à frente e usar seitan que comprei no supermercado mas pronto, assim aproveito para perguntar fazer outra pergunta que já planeava fazer: que tal fazeres um post com recomendações de produtos (tofu, seitan, tempeh, molho de soja, …) para a malta que, como eu, anda meio perdida nos supermercados e lojas de produtos naturais (agora tenho a Celeiro Integral, não confundir com o Celeiro, numa cidade próxima e já lá comprei umas coisas). É claro que o ideal será sempre fazer em casa, mas “don’t let perfect be the enemy of the good” e poderá haver produtos no mercado que achas bem bons e outras completamente a evitar. E se calhar dentro da mesma marca o tofu, por exemplo, é bom, mas o seitan já é fraquinho.

        Outra coisa:

        “1 iogurte de soja, sem açúcar adicionado”

        Eu sei, e saúdo-te por isso, que tentas evitar usar produtos de origens animal, mas já experimentaste usar iogurte sem ser de soja? Tenho aqui iogurte grego, acho que pelo menos da primeira vez vou fazer com esse. É que eu já bebi leite de soja e comi uma sobremesa de soja (por acaso iogurte acho que ainda não provei) e não gostei de nenhum deles. Tenho aqui agora um pacote pequeno de leite de soja para provar, mas é porque tem sabor a baunilha. Bem, a mesma marca tem iogurtes de soja também de baunilha, custam é o dobro do preço que me custam os gregos, porque dos segundos há de marca própria das cadeias de supermercados. O leite de soja deles, com ou sem baunilha, também não é barato, mas comprei-o para provar e não para passar a comprar regularmente, portanto…

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Outras Receitas que merecem destaque